Vagrant Story


5 respostas neste tópico
 #1
[Imagem: 5F0DksL.jpg]
Citar:
Vagrant Story (ベイグラントストーリー, Beiguranto Sutōrī) é um jogo eletrônico de RPG desenvolvido pela Squaresoft (atual Square-Enix), lançado para o PlayStation em 2000 e relançado 9 anos depois em formato de download na Playstation Network, disponibilizando-o assim para PlayStation 3 e PlayStation Portable (PSP).

Comecei ontem cheguei a 003% do jogo Icon_lol e achei o sistema de jogar muito dahora. Me lembrou Fallout 3 quando joguei. Devo ir até o final, pois dropei o FFIX.
Responder
 #2
Mal joguei, na época já comecei desgostando do jogo por causa do sistema de batalha.
Responder
 #3
Eu curti pacas esse jogo, mas ainda não zerei. Um dia desses recomeço do zero. Ainda acho isso bonito até hoje.
Responder
 #4
Eu achava bacana, mas na epoca não joguei por estar mais interessado em rpg com times ou vários personagens, se não me engano o heroi se chama Ash. Esse Merece um remake/pincelada.
Responder
 #5
Joguei Vagrand's Story a eras atrás, não sei porque não terminei.

Mas eu achava ele bem lentão.
Responder
 #6
Já zerei esse. É um belo jogo, principalmente pela época em que foi lançado. O sistema do jogo em si era bem diferente dos jogos deste estilo. A história era boa e a capacidade de forjar equipamentos e combinar itens tornava a experiência mais interessante, embora não fosse tão customizável como poderia ser.
Eu ainda acho que o jogo é bem superestimado, principalmente por ele apresentar duas falhas cruciais. A primeira que já foi mencionado pelo @rapier era o sistema de batalha, que lembrava Parasite Eve no quesito de cada arma ter um alcance diferente. Porém ao contrário de PE, Vagrant Story era muito lento, haviam momentos que chegava a dar sono tamanho o tempo que o personagem levava pra atacar, principalmente quando se utilizava a besta. Como o jogo ficava estático enquanto o personagem atacava infinitamente, era meio frustrante ver o personagem demorar vários segundos para desferir cada golpe e errar todas as vezes, já que depois do oitavo golpe a barra de Risk dobrava a cada nova tentativa. Quanto mais alta essa barra maiores eram as chances de se errar um golpe, então quando ela chegava em 100%, quase nenhum golpe acertava mais. Os golpes aumentavam o dano com isso, porém as lutas demoravam mais justamente por causa desse fator.
O segundo problema que eu via no jogo, eram os cenários e o número exagerado de chefes espalhados dentro deles. Os cenários eram muito repetitivos e enfrentar um chefe a cada 5 ou 6 salas era meio forçado e cansativo, justamente pela lentidão do sistema de batalha. Haviam dungeons que eram insuportáveis. Destaque pra última do jogo, onde tu enfrenta um chefe a cada 3 salas, totalizando dez chefes em uma dungeon bem pequena. O pior é que as lutas com esses chefes eram muitas vezes iguais, bastava ver que tipo de monstro era e repetir o mesmo esquema utilizado em batalhas com criaturas semelhantes.
O jogo não é ruim, longe disso. É um bom jogo, ele também tem suas qualidades. Porém é fato que ele é meio supervalorizado por alguns fãs de RPGs das antigas que ignoram alguns de seus problemas principais sabe-se lá por qual motivo.
Responder

Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes